domingo, 16 de março de 2008

16-03-08 Leonte - Mourô - Corga do Mourô - Leonte

16-03-08 Leonte - Mourô - Corga do Mourô - Leonte

Clicar na foto para ver o album

16-03-08, já há uns meses que vinha a namorar um trilho que não aparece nos mapas recentes mas nos antigos esta muito bem sinalizado. Sem saber muito bem porquê (mas a serra tem esse efeito em mim) sentia uma forte vontade em descobrir esse trilho e eis que após algumas trocas de impressões com alguns membros do UPB resolvi por pernas ao caminho. Para variar Pérola Negra e Coração de Águia resolveram acompanhar me, a ideia de eu ir só ainda os assusta um pouco… A amizade, companheirismo e até a confiança cega que eles tem por mim, será eternamente reconhecida. É que ambos sabiam que eu não conhecia o terreno e mesmo assim não duvidaram uma única vez de que estávamos no caminho certo, confiando sempre no meu sentido de orientação.

Ate ao Prado do Mouro nada de novo o trilho era conhecido, paramos algumas vezes para apreciar a paisagem e atenta como sempre reparei em algo que me fez lembrar uma conversa que tive com um membro do UPB, o “Almocreve”. Pois é Almocreve acho que pela primeiro vez vi vestígio de um lobo, no meio de um trilho os excrementos não davam margens para duvidas a descrição que me tinhas dado corresponde mesmo (ver foto).
Chegando ao Prado, o ritual junto a mariola dos UPB foi feito e a merecida vénia ao “monumento” em homenagem a todos os caminheiros também foi feita. Seguimos a sul seguindo as dicas dadas pelo “Grande chefe” Medronho e lá estava o trilho bem marcado bem definido. A descida da Corga do Mourô junto ao ribeiro com o mesmo nome é esplêndida, as paisagens por vezes de cortar a respiração, as nuvens brincavam no céu, escondendo-se ora atrás de uma montanha ora atrás de outra, deixando antever sombras de uma beleza que só o nosso imaginário consegue ver…
A meio da Corga chegamos a um pequeno Prado com um Carvalho enorme no meio (prado típico do Gerês) e um pequeno abrigo também. Cenário encantador … aí saboreamos um pouco daquela paz, bem-estar, daquele silencio… ouvindo somente o som melodioso de um ribeiro que ali passava. Continuamos a descer e uma sensação estranha mas muito prazerosa me ia invadindo. Os carvalhos secos; erectos, mortos contrastando com o verde de algo que acaba de renascer, fizeram me recordar as palavras de uma grande Senhora que diz:” Sabes um dia vou morrer como toda agente, mas quero morrer como as arvores… de Pé…” Todo o percursos me fazia lembrar mais a um regresso ao inicio, onde tudo começou… sobretudo quando deparamos com um pequeno bosque com cedros enormes de um verde escuro e o musgo que recobria as rochas contrastava lindamente com um verde luxuriante. Aquele cenário fez me voltar alguns anos atrás na minha adolescência entre montes e bosques, noutro pais bem longe daqui. Só faltava mesmo o branco da neve a contrastar com o verde dos cedros, e repousar serenamente no baloiçar dos seus braços…ou ramos.:) Aquele bosque tinha algo de místico, de fantástico, ali senti que reinava harmonia… sensação tão boa. Chegamos a estrada entre a Costa Cantina e o Ribeiro do Mouro, missão cumprida, o percurso correu lindamente…

E eu, namorei cada passo que dei naquela serra, acariciei cada mariola, senti os afloramentos de cada sopro da brisa… e deixei me abraçar e enlaçar por cada nuvem que ali passou…

11 comentários:

medronho disse...

TEXTO MAGNIFICO :)


bjs

White Angel disse...

Muito obrigada Medronho,

é sempre muito gratificante receber um elogio de um "Grande Chefe" (no verdadeiro sentido da palavra), por mais singelo que esse comentàrio seja.E verdade seja dita, o local inspirou...

Muito Obrigada:)
Saudações Montanheiras

Sherpa disse...

Parabéns;-)
Nós nesse mesmo dia estivemos ai ao lado ... mesmo perto, quiça a sudeste. Vale a pena investigar mais por ai.

White Angel disse...

Oi Sherpa,

Obrigada pelo Post.
Eu sabia que estavam por perto, infelizmento o Sabado é um dia terrivel para mim.
A vontade de estar com voces era enorme, sò quem pernoita na serra, se possivel em noite de luar e ao luar é quem sabe o que de magico isso tem.

Quanto a sudeste ja me aventurei mas ainda ha muito mais; fonte inesgotavel de surpresas...

Saudações Montanheiras

BARROSO DIGITAL disse...

Parabéns muitos Parabéns, mais uma vez axo que qq dia vou seguir os teus passos ... eu nesse dia estive no douro(fregeneda - barca d alva) tb uma maravilha de trilho..

abraço aqui do barroso
miguel moura

White Angel disse...

Oi Miguel,

Serà e é sempre um prazer caminhar com pessoas que comunguam da mesma paixao, por isso quando quiseres seras muito bem vindo.
Quanto ao trilho que vai do Pocinho até Barca D'alva tambem ja o ando a namorar. UM dia deste tou la.

Obrigada pelo post.
Saudações Montanheiras

Côxo disse...

Angel, o teu texto tem o aroma puro da paixão pela serra.
Parabéns

White Angel disse...

Meu querido Côxo,
(que ja conheço o rosto :))

Em todas as paixões o ser humana procura essencialmente o prazer, e se o prazer é aquilo que sinto quando estou la em cima, então sim... sou uma Amante Incansavel e Apaixonada pela serra.
Ali eu realiso-me, ali o meu "sentir" é genuino...

Obrigada pelo post.
Beijinhos
Saudações Montanheiras

Vitor&Katia disse...

Minha querida, mais uma vez, texto e imagens que nos fazem viver de tal forma as tuas saídas para o terreno, que por vezes ficamos mesmo com a sensação que lá estivemos contigo.
Uma caminhada carregada de locais lindíssimos e inspiradores à reflexão.
Um beijo muito grande por nos fazeres viver estas tão agradáveis emoções.

UmBeijoGrande.

David Marques disse...

Viva,
Estive a ver com atenção o blog e gostaria de saber como posso contactar por e-mail para apresentação de uma iniciativa?

Obrigado e abraço

White Angel disse...

Oi David,

é muito simples ou deixas aqui a tua sugestao, porque so é publicada se eu autorizar e respondo te mesma via. Ou entao dàs-me o teu e-mail e eu propria entrarei em contacto contigo.

Até là,
Saudaçoes Montanheiras