quinta-feira, 25 de junho de 2009

Porque partilhar é AMAR…

Na nossa vida quotidiana, tendemos a ver a solidão como um fardo, um incomodo. Enchemos as nossas vidas de actividades, de passatempos, de ocupações… esquecemo-nos de como e bom estar só e em silencio. Procuramos no amor um refúgio para a solidão, mas se não soubermos viver connosco mesmos, transformamos o amor numa solidão a dois. Estar apaixonado e muito bonito e é bom amar alguém. Mas estar só também tem a sua beleza, a sua plenitude. Amar e estar só não são opostos, são estados que se complementam.

Sr. Clemente nos Carris (o sorriso dele vale ouro)
Só quando aprendemos o gozo da solidão somos capazes de dar valor a companhia dos outros; e é estando com os outros que aprendemos a dar valor é riqueza da solidão.
O Sr. Agostinho no Retiro do Gerês
(O Prazer de partilhar o seu conhecimento da serra)

Só assim se entende o sorriso e a alegria estampada no rosto destes Homens. Rostos de quem por lá já passou e aprendeu…
Gente que quando vê um desconhecido não se assusta, não tem medo… Sorri gentilmente… Convida a sentar… Oferece o ultimo “papo-seco” que tem e um pedaço de presunto, dizem que é para “matar o bicho” na longa caminhada de regresso que nos espera.
"O Comprido" :) no Vale Teixeira
(A Alegria de uma bela cantoria...)

Ah!!! Sem esquecer a alegria… Alegria que esses homens sentem no simples acto da partilha…
Porque partilhar é AMAR…

Sr. Manuel no Curral da Touça ( A paz que se sente)

6 comentários:

Preto disse...

Comentário sem comentários...

Muito bom! E é "A" Serra que nos proporciona essa solidão voluntária...

Beijinhos pra ti Anjinho Branco

White Angel disse...

Preto,

è mesmo... solidão por opção:), ou confusão só quando a gente quer.

Para mim so assim se consegue valorisar devidamente cada momento ou estado da alma...

Beijinhos:)

Tia_Cunhada disse...

Falas de um "estar só" por opção, que é fabuloso e que todo o ser humano deveria experimentar.
Não falas do "estar só" por abandono, claro que não!
E essas gentes de quem falas são iluminados por natureza. Gente simples, almas nobres...
Bom post.

Namasté :-)

White Angel disse...

Tia Cunhada,

Jorge Brasens dizia " Je ne suis jamais seule, quand je suis avec ma solitude" "Nunca estou sò quando estou com a minha solidão"...
Por conseguinte ninguem esta sò por abandono... Temos sempre a nossa propria companhia... Ninguem abandona ninguem... Simples estados da alma... tempo para companhia, tempo para solidão... tempo para alegria... tempo para meditação...

Na vida temos de saber tirei o melhor proveito de todos as ocasiões, por isso não acredito no abandono do ser... acredito sim na evolução do ser...

Esses homens sòs com quem me cruzo por vezes sò na serra, nunca me falaram de solidão ou abandono... Sempre me falaram do gado, da serra, dos ribeiros, das montanhas, do céu, da lua, do sol, do regresso a casa, da alegria...

Namasté :)

Mário Alves disse...

Olá White Angel.
Nem sempre, nem nunca, mas... a solidão, é uma verdadeira companhia, com quem podemos partilhar todos os nossos estados de alma e ao mesmo tempo libertá-los, deixando-nos num perfeito "bem estar" connosco e com o mundo. E é este "bem estar" que nos vai deixar ser melhor companhia, quando não podemos, ou não queremos estar em solidão.
Assim, amamos... porque partilhamos o nosso "bem estar", seja com quem temos no coração, seja com as gentes da serra que, sem nos conhecerem, nos oferecem o seu próprio "bem estar".
Gosto muito da tua escrita. Fica bem, "Sorriso da Montanha".

White Angel disse...

Mário,

So escrevo o que me vai na alma... Sem rodeios... e o que sinto quando estou la em cima... ;)

Beijinho :)