sexta-feira, 10 de julho de 2009

...Into the wild...


Não vejo TV… Recuso-me… Sempre defendi que quero ser actriz principal e realizadora do meu próprio filme… que é a vida ;)
Mas depois de varias insistências de MUITA gente para eu ver o filme “INTO THE WILD” alegando que eu iria gostar, filosofia de vida com a qual me identificaria… enfim resolvi então alugar o filme e ver…

Gostei… Adorei… uma frase marcou-me…

“A FELICIDADE SÓ É VERDADEIRA QUANDO PARTILHADA… “

Se muitos ainda não entenderam, talvez nesta frase consigam agora entender o objectivo do meu blogue…

7 comentários:

MEDRONHO disse...

só vi partes do filme (não gosto de ver filmes na TV. filmes só no CINEMA).

Há sempre frases com que nos identificamos, mesmo que não nos identiquemos com o filme.

Do que vi do filme (mt badalado) não achei nada de especial. Experiências de vida (isoladas) há muitas...no cinema. É mais uma.

Agora o "sentido" literal do teu blogue...sim. concordo e APOIO totlamente :))



Continua. Vai em frente, que é o CAMINHO ;)


bjs

Tia_Cunhada disse...

Vou ver o filme... depois comento.

Namasté White Angel :-)

Mariana Pietrobon disse...

Não vi o filme, mas fiquei com uma vontade enorme de ver... pelas palavras descritas, pela imagem que o inspira, gostei do blog, gostei das idéias, gostei deste lugar. Visitarei bastante.
Visite também os meus blogs: http://diariodeumainsone.blogspot.com
http://marianapietrobonfotos.blogspot.com

joca disse...

Eu tenho o filme (na verdade é da Joana) e gostei do filme. Só que é um idealismo extremo que precisava de ter sido doseado com algum pragmatismo. Quando li mais sobre a história descobri que bem perto do acampamento onde o miúdo morreu havia uma reserva de alimentos numa cabana de caçadores. Situação que deveria ser do seu conhecimento se tivesse preparado melhor a sua aventura.
No entanto o filme é muto bonito (fotografia e música) e desperta um pouco do aventureiro que há em nós.

White Angel disse...

Joca,

Concordo contigo, aqui trata-se de uma históra veridica, uma experiencia de vida que não é a minha nem a de ninguem... só foi dele... tambem acho que foi um pouco extremista (acima de tudo ha que ter bom senso)... Mas no meio desta experiencia, existem lições a tirar... e são essas lições que interessam... são essas que me ajudam a meditar e crescer...:)


Chefe,

Acho que em cima ja respondo ao teu comentario. Quanto ao teu apoio, acho que foste a primeira pessoa a entender-me. Muito obrigada pelo apoio, pela fidelidade ao blogue e pela amizade que tens vindo a revelar ao longo dos tempos...


Tia,

Vê o film, a lição tirada vale a pena...


Mariana,

Obrigada pelo comentario. Visitarei o seu e retribuirei o carinho.

Namasté para todos:)

trilhos.do.lobo disse...

O máximo de liberdade
ocorre na solidão.
A liberdade menor
é partilhada com os outros.
Mas, sem eles, de que serve
a máxima liberdade
estéril da solidão?

um abraço deste sempre teu amigo LOBO

White Angel disse...

Oi Lobo,

Muito obrigada pela passagem e pela mensagem... Saudades de vocês.
O Mario e o Paulo vejo com frequencia mas tu, nada...:(

Abraço montanheiro