sexta-feira, 22 de junho de 2012

07 a 10-06-12 Picos Da Europa com o Vamos Ali - Terceiro e quarto dia!

Urriellu - Jou Sin Tierra - Jou Los Boches - Horcados Rojos - Cabana Veronica - El Cable - Fuente Dé - Arenas - Cangas de Onis - Covadonga - Lago Enol - Lago Ercina.

O Tempestade

No dia seguinte, dia 09 de Junho acordei em plenos Picos ao lado do homem que eu amo e que me ama, achei fantástico, soberbo, sublime a partilha daquela minha felicidade. Levantamo-nos, tomamos o pequeno-almoço, umas fotos dali e dacolá e cantamos os parabéns ao Tempestade que celebrava mais uma primavera e desta vez em plena montanha… Esplêndido!!! Colocamos as mochilas nas costas e fomos em direcção ao Jou Sin Tierra pela garganta com o mesmo nome… Fui ficando para trás com o libelinha e com o Galga Montanha, as fotos tomam-me muito tempo…lol. Estava radiante, caminhar com o Libelinha com quem tanto sonhei e com o meu grande mestre o Galga montanhas com quem já havia caminhado nos Picos também, era fabuloso… Fui apreciando a montanha, os meus companheiros, fui conversando com ela, sentia protectora… Sentia que embora as condições climatéricas não fossem as melhores, a montanha estava a receber-nos de braços abertos, sentia que ali estávamos bem… Sentia uma presença estranha como se alguém estivesse ali a aprovar e abençoar a nossa caminhada a nossa presença… Como se naquele momento nós fizéssemos, todos nós parte de um todo em harmonia… Entramos para o Jou de los Boches e claro a passar a Garganta o vento levantou se, fez se sentir presente. Não receei, é normal em quase todas as gargantas, correntes de ar que passam de um corredor para o outro, nada de alarmante…


No Jou de los Boches, já conseguíamos ver os Horcados Rojos que eu ambicionava passar já há alguns anos. As duas vezes que tentei, tive de voltar para trás porque as correntes estavam submersas na neve. Embora um casal amigo nosso, que esteve naquele sitio na semana anterior, nos aconselhasse a ir pelos Los Urriellus, mais longo mas mais fácil. O Águia depois de consultar o pessoal, resolvemos atacar os Horcados. As correntes estavam a vista, só mesmo um neveiro da recta final poderia atrapalhar um pouco. Como estávamos com pessoas minimamente experientes e tínhamos material para fazer a travessia, lá fomos nós… Eu nem reclamei queria muito passar os Horcados, um sonho de longa data. Lá começamos a nossa ascensão, uns atrás dos outros com as distâncias mínimas de segurança…
Eu ia subindo entre o Tempestade (o meu eterno Cavalheiro das Montanhas) e o Libelinha (o homem por quem eu suspiro) ia pensando na quantidade de vezes que eu sonhei em caminhar, escalar com alguém com quem pudesse partilhar de uma forma especial estas emoções todas. Agradeci a montanha, sentia o seu sorriso de felicidade por mim e por ele, olhei para o Libelinha que se encontrava mais a baixo, dei-lhe o meu sorriso mais belo e as lágrimas inundaram o meu rosto… O Tempestade olhou para mim com um ar assustador, “tas bem miúda” diz ele… e eu ria e chorava em simultâneo… não foi fácil convencê-lo de que estava extremamente feliz… Que aquelas lágrimas era  a expressão de uma felicidade extrema como se perguntasse a montanha se era realmente merecedora da tanta felicidade, e ela respondia-me que sim…

“Que os caminho mais árduos eram repletos de pedras, desníveis íngremes e de algum espírito de sacrifício, mas a recompensa quando se chega ao cimo é delirante e esplêndida” Eu estava finalmente no meu verdadeiro sentido de plenitude e o Libelinha estava ali comigo…. Esperei que ele chegasse até mim para o brindar com um beijo e um abraço… E continuamos.


Chegando ao neveiro, sem crampões (só alguns tinham), o águia resolveu ir a frente e fazer uns socalcos na neve para que toda a gente passasse em segurança… Nesse entretanto e como já é normal nessa pendentes, o vente fez se sentir, e eu senti que estava na hora de começar a descer, quase que como se a montanha nos dissesse, “meninos tem de começar a descer, não sou má mas por favor respeitinho, sim!!!” E estávamos mesmo a começar a descida para a cabana Verónica. Voltei a abraçar o José o guarda do refugio com o qual tirei mais uma vez uma bela foto, muito bom revê-lo! Descemos até ao El Cable sempre debaixo de uma chuva miudinha , tomamos algo de quente e fomos para o Parque de campismo de Arenas de Cabral.

Como era o aniversário do Tempestade, fomos fazer compras e resolvi brinda-lo com um belo dum coucous magrebino feito por mim pois sabíamos que ele gosta muito. Já tinha tudo combinado com o Águia para trazer uma panela bem grande para poder cozinhar para 10 montanheiros… Não faltou comida, bebida, bom ambiente, boa disposição enfim uma actividade em grande. Mas antes de nos recolhermos ainda fomos desgastar o nosso manjar numa bela passeata pelas ruas de Arenas…
Na tenda enorme que eu tinha levado, conseguiram dormir 8 montanheiros, fantástico eu dormi que nem um anjinho ao lado do Libelinha, se alguém ressonou ou roncou, sou sincera não ouvi nada.

No dia seguinte arrumamos, tomamos o nosso pequeno-almoço e fomos fazer turismo para Cangas de Onis e Covadonga, lindíssimos.
Mas antes de regressar ainda fomos fazer uma pequena caminhada de meia dúzia de quilómetros para os lagos de Covadonga, o Lago Enol e o Lago Ercina.


Aí, despedimo-nos do Tempestade, o Barba de milho e a Soneca que ficavam por mais dois dias e nós regressamos a Portugal encantados pelas montanhas, felizes da vida e eu cada vez mais encantada com o Libelinha e pela paixão comum que temos pelas montanhas, a vida e a Aventura….



Clicar na foto para ver o Album

8 comentários:

José Carlos Callixto disse...

Dorita, que maravilha de descrição, de fotos, de sensações transmitidas ... de tudo! Tu és um hino à vida e pela vida! Muitos parabéns e felicidades! Beijinhos

White Angel disse...

José Carlos,

A vida é tão bela!!!
Obrigada pelo carinho... :)

Beijinhos

Fábio e Elisabete disse...

Ola Dorita

Muito obrigado pela magnifica partilha. Tens um blog fabuloso! Continua este teu magnifico trabalho.

Beijos
Mountain4ever

CHEIRO DA MONTANHA disse...

Sem palavras estou muito contente por ti e agora também pelo Libelinha foram feitos para se unirem abençoados pelas divinas Montanhas. Estive até última hora para estar nesses dias nos Picos, também, não convosco mas a vida trama-nos e não fui, para Outubro talvez.
Rocalva é meu px destino a solo vou conseguir em autonomia porque me apetece...um Xi grande para vocês...amem-se... respeitem-se...vemos-nos aí por esses caminhos.

White Angel disse...

Obrigada Fábio!!!

Olha que o teu trabalho, embora diferente, não fica em nada atrás do meu!!!

Beijinhos

White Angel disse...

Vento,

Obrigada pelo carinho e pelas palavras e já agora pelo tua presença no dia, naquela fraga da Pastorinhas, em que nos fomos de facto abençoados...:)

Rocalva é um lugar magico... eu não duvido nem um pouco das tua força de vontade... Sei, sinto que um dia vais dormir la em verdadeira harmonia com esse cheiro da montanha...

Beijinhos :)

Mário Alves disse...

White Angel, fabulosa aventura com tanta emoção a transbordar o corpo. A alegria e o pormenor com que descreves as tuas façanhas, são de tal maneira contagiantes, que nos sentimos junto a ti. Mas o que mais salta à vista de todos quantos te leêm, é a imensa paixão que te assola o coração. Sê feliz.

White Angel disse...

Olá Mário,

Como é do conhecimento de todos os que me lêem, eu sinto o prazer da vida a correr me nas veias e como tal, para mim, impossível não transmitir. Acredito que muitos e muitas sintam o mesmo que eu, talvez não o expressam da mesma forma.

Eu pessoalmente não tenho medo de minhas emoções, acho que só as vivendo plenamente e as assumindo, é que a vida vale a pena e para mim só assim tem real sentido…

Muito obrigada pelos teus votos de felicidade, e por favor vai avisando quando estiveres por cá..;)

Beijinhos